Notícias

Velozes e Furiosos 10 coroa franquia com drama estapafúrdio

Alguns dias antes da estreia de
“Velozes e Furiosos 10”, usuários do Twitter questionavam qual foi o
exato momento em que a franquia decidiu abandonar a realidade em prol de cenas
de ação cada vez mais estapafúrdias, dignas de episódios do Looney Tunes.
Exemplos mostrando carros sendo projetados de um
arranha-céu para outro em Abu Dhabi, personagens escapando da morte certa sem
explicações, um Chevette indo para o espaço e até o protagonista Dominic
Toretto pronunciando “Brasil” perfeitamente foram compartilhados.
Apesar da proposta bem-humorada, ninguém parecia
estar engajando na brincadeira em detrimento dos filmes, mas, sim, exaltando a
sinceridade com que a série abraçou o espetáculo estúpido conforme os capítulos
progrediam.
Mais de vinte anos depois do seu início, a história
que começou como um simpático thriller envolvendo policiais infiltrados em
gangues de racha em Los Angeles e acabou evoluindo para uma novela de
espionagem high tech global só poderia chegar ao fim como um estrondo –e não
como um suspiro.
A primeira de três partes desse finale coloca o
protagonista Dominic Toretto, interpretado por Vin Diesel, contra o mais
insano, megalomaníaco e imprevisível dos seus vilões: um carioca, Dante Reyes,
interpretado por Jason Momoa. O personagem, filho do chefão do crime do quinto
filme ambientado no Rio de Janeiro, está atrás de vingança pela morte do pai e
do roubo da sua fortuna ilegal.
Momoa mira o zelo quase deontológico à família. É
essa relação de afetos que sustenta a franquia entre os seus excessos. No
decorrer dos filmes, ver os atores principais interagindo entre si como amigos
de colégio enquanto planejavam assaltar um cofre dentro de uma delegacia de
polícia, ou sequestrar um submarino nuclear no meio da Antártica, por vezes colocava
na tela interações de sensibilidade que compensava as cenas e situações
tresloucadas. É sempre mais divertido desafiar as leis de Deus e da física
entre amigos.
Talvez aí também esteja parte considerável do afeto
do público pela franquia. Toretto e seus amigos nunca perderam sua essência de
azarões comuns. Seguem sendo ex-criminosos do subúrbio de Los Angeles que
calham de salvar o mundo às vezes. Na foto do seu casamento, Dominic está de
regata no altar. Seu princípio familiar é simples e inconciliável porque às
vezes é o que resta para muitos seguirem em frente.
Era também pela família e não por civis inocentes
que Dominic salva o mundo incontáveis vezes. Tudo que não orbita a família é
mero apêndice nesse universo –não à toa a maioria dos vilões tem ligações
pessoais com Dominic e seu grupo. A família vem sempre em primeiro lugar,
independente da destruição de desenho animado que isso possa causar.
O antagonista da vez respeita o mesmo código, mas
perdeu seu porto seguro quando seu pai entrou no caminho de Don e sua família.
“A morte é um desfecho misericordioso quando seu inimigo merece
sofrer” é a fala que dita seu desejo de vingança.
Jason Momoa entrega a melhor atuação do filme e o
melhor vilão de toda a franquia. Seu Dante, no início, parece mais uma
tentativa de introjetar drama exagerado em um antagonista de blockbuster –uma
constante no cinema americano desde o Coringa de Heath Ledger.
Mas logo seu estilo flamboyant e seu humor crasso
se mostram mais um comentário sobre essa tendência do que um desejo de
segui-la. Um pastiche de vilão desequilibrado executado por um ator de
proficiente sensibilidade cômica. O resultado nunca é amedrontador, mas oferece
a estupidez autoconsciente que faltava para um vilão da série.
“Velozes e Furiosos 10” engata o fim de
uma das franquias mais estapafúrdias, melodramáticas, sem sentido e
irreverentes do cinema moderno. O estranho equilíbrio entre esses elementos
distinguia os melhores e piores filmes da série. Esse capítulo se encaixa no
primeiro grupo. A família tem mais dois filmes para alcançar níveis ainda
maiores de ação nonsense e drama rocambolesco. Não há porque desejar que pisem
no freio.
Lá pelas tantas, encurralado em uma barragem entre
dois caminhões lotados de explosivos, Dominic Toretto encara o vilão e diz
“você tirou tudo de mim, mas esqueceu de tirar o meu carro”. Ele
acelera, fluido nitro percorre pistões hidráulicos e o carro arranca a 150km/h
em direção ao incerto. É o tipo de coisa que vai fazer falta.
VELOZES E FURIOSOS X
Onde: Nos cinemas
Classificação: 14 anos
Elenco: Vin Diesel, Michelle Rodriguez, Jason Momoa
Direção: Louis Leterrier
Avaliação: Muito Bom

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

📢 Quer ficar por dentro das últimas notícias em primeira mão? Não perca tempo! Junte-se ao nosso canal no WhatsApp e esteja sempre informado. Clique no link abaixo para se inscrever agora mesmo:

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo